Este blog está programado e paginado para Microsoft Internet Explorer. Noutros browsers, é natural alguma desconfiguração.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Ouvindo velhos contos ... à lareira e com sabores

Regressados de Vale de Espinho e do inferno em que as mãos criminosas lançaram o concelho, eu tinha encontrado casualmente na net uma iniciativa que me pareceu bastante interessante e original. Organizado
Retiro da Fraguinha, 3.10.2009
pelo grupo "Criar Raízes", de S. Pedro do Sul, em conjunto com o parque de campismo da Fraguinha, na Serra da Gralheira, de 3 a 5 de Outubro realizava-se o evento "Estória, História...: encontro de contadores, lareiras e sabores". O encontro parecia apelativo: prometia "contos, percursos pedestres, petiscos, vidas partilhadas... uma forma diferente de descobrir a serra". Há 15 anos que não acampávamos propriamente, em tenda; era uma oportunidade para reviver a experiência e participar naquele encontro.
E assim, naquele início de Outubro, rumámos à Gralheira. O parque da Fraguinha é um camping rural, em plena serra. Que bela localização e que bela envolvência ... não fossem as muitas eólicas nas redondezas, zumbindo dia e noite.
Vamos descamisar o milho, Manhouce, 3.10.2009
Que aberrante "plantação" povoa agora muitas das nossas serras! Energia limpa? Esse é um conto mal contado...
Com base na Fraguinha, as duas aldeias que receberam o evento foram Manhouce e Candal. Aldeias alcandoradas na serra, cheias de histórias e de tradições. E dando vida aos objectivos pretendidos, o conto veio de novo para a lareira, para o sítio onde nasceu, nas longas noites de frio e de chuva, à volta do lume, em casa das pessoas. A ideia era que os participantes descubrissem as aldeias e as suas gentes, ao circular de casa em casa para ouvir um contador diferente e provando nelas os sabores tradicionais; foram assim as noites dos dias 3 e 4. Mas também tivemos a oportunidade de aprender saberes de outrora, de escutar vozes que ecoam dos recantos da serra ... como a voz de Isabel Silvestre, que ouvimos num esplêndido concerto na igreja de Manhouce.
Candal ... pedras que falam...  4.10.2009
Em Manhouce participámos no labor tradicional do descamisar do milho. Em Candal reunimo-nos na eira, para ouvir velhas histórias de lobos e de homens. Foram sem dúvida três belos dias e um belo evento. Um único reparo, que aliás fiz à organização: os "contadores de histórias" poderiam (deveriam...) ter sido recrutados entre a população das aldeias, ou seus descendentes ou a elas ligados ... em vez de contadores "profissionais", convidados, contando histórias que levam para muitos cantos e recantos, histórias que nada têm portanto a ver com aquelas aldeias, serras e gentes. Poderia ser difícil ... mas seria um desafio.
(Pode ver o álbum de fotos completo nest link)

Entretanto, ainda em Setembro tínhamos participado com os Caminheiros Gaspar Correia em mais uns Chocalhos, em Alpedrinha e na Serra da Gardunha, ligando no sábado as barragens do Pisco e da Marateca. A 17 de Outubro foi a vez de uma caminhada ... surpresa... J. E a 7 de Novembro, com quase 2
Um novo Caminheiro... J  7.11.2009
anos ... o neto mais velho estreou-se nos Caminheiros... J! Numa caminhada alusiva a S. Martinho, entre o Sardoal e Andreus, o estreante fez parte do percurso ... na mochila para o efeito, às costas do avô e do pai... J. E a última jornada caminheira do ano foi em terras de Sicó, no dia 12 de Dezembro.
Mas pelos Santos tínhamos regressado a Vale de Espinho. No dia 28 de Outubro fui ver como estavam as "minhas" Fontes Lares ... e felizmente fiquei maravilhado. A natureza é pródiga e regeneradora! O cenário dantesco de dois meses antes, tinha-se felizmente alterado substancialmente.
As Fontes Lares voltaram à vida!  28.10.2009
Ainda durante essa curta estadia, no dia 31 participei numa caminhada organizada pela Associação Recreativa de Malcata, palmilhando à noite os velhos trilhos da serra, do Alízio ao geodésico do Homem e regressando a Malcata. E de 17 a 20 de Dezembro ... lá estaria de novo na "minha" Vale de Espinho... J!

E numa visita há muito pretendida, Florença recebeu-nos no final de Novembro, depois de um dia e meio em Barcelona. Mas além das cidades, esta jornada permitiu ainda conhecer um pouco das belas paisagens da Toscânia ... bem como um espectacular panorama aéreo dos Alpes, na viagem de regresso.
Sobrevoando os Alpes, 26.11.2009
3/09/2011

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

E o inferno passou por ali...

Regressados dos Pirenéus a 9 de Agosto ... dia 11 estávamos em Vale de Espinho,  para  passar  grande
Na Serra do Espiñazo, sobre San Martín de Trevejo, 13.08.2009
parte do resto do mês. E logo dois dias depois, participo numa caminhada organizada por um grupo de pessoas dos Foios, nas chamadas Torres das Ellas, os espigões rochosos da Serra do Espiñazo, sobre Valverde del Fresno e as Ellas. Já conhecia a zona, mas a caminhada foi orientada por fojeiros muito conhecedores daquelas rotas, o que é sempre uma mais-valia importante. Histórias de barrocos cortados por um raio, de fontes que guardam tesouros escondidos, foram animando e alimentando esta belíssima caminhada. Obrigado Tó e Xico Lei!
Agosto foi também o mês em que pela primeira vez os netos, agora ambos com pouco mais de ano e meio, passaram uma temporada maior na raia.
Ao longo do Espiñazo, 13.08.2009
Subida às Torres das Ellas, 13.08.2009
No dia 20 vou de Vale de Espinho à Gardunha e regresso, para participar com outro caminheiro na prospecção da que viria a ser a caminhada de Setembro dos Caminheiros Gaspar Correia. Mas o fim de Agosto e os primeiros dias de Setembro de 2009 ficariam para sempre marcados nas memórias de Vale de Espinho e de todo o concelho do Sabugal. Naqueles dias ... o inferno passou por ali! A mão criminosa dos incêndios, que todos os anos varre as nossas florestas, sacudiu todo o concelho do Sabugal com uma onda
Clique para ver o álbum no Picasa
de fogo como nunca naquela zona se havia visto! Entre Vale de Espinho e os Foios, o incêndio começou no Regordo ... junto ao Côa! Como é possível começar num baixio, junto à água, e rapidamente subir às Cortes e às Balsas, ao cimo da Serra de Aldeia Velha ... envolvendo as novas torres eólicas que infelizmente povoam a cumeada?!...
Já tinha regressado a Lisboa ... mas não me contive. Os campos ainda fumegavam...! Na zona do Terreiro das Bruxas ... tudo havia sido carbonizado! Entre o dia 30 de Agosto e o dia 1 de Setembro, mais de 60% do concelho do Sabugal foi devastado pelas chamas!
No dia 2 meto os pés ao caminho ... e o "filme" que se me revelou foi um cenário dantesco. Ao avançar das Balsas para as Fontes Lares, por momentos alimentei a esperança de que a serpente de fogo tivesse poupado aquele "santuário". Mas rapidamente a esperança se foi desvanecendo ... e as lágrimas corriam-me soltas quando me sentei no meu barroco sagrado. Qual ilha num mar de cinzas, o barroco jazia isolado, perdido na negritude que o rodeava. As ruínas da velha casa, ocupadas nas últimas décadas por silvas impenetráveis ... estavam agora mais vazias do que nunca, esventradas, comidas pelo fogo até nas velhas paredes interiores. Próxima, da velha casa do Ti Zé Tomé ainda se soltavam grossas colunas de fumo...
O barroco "sagrado" jaz como ilha num mar de cinzas...  2.09.2009
Uma dolorosa caminhada ao inferno... 2.09.2009
E o inferno passou por aqui...  2.09.2009
Que arda no fogo dos infernos quem provoca esta miséria que todos os anos se repete ... quem lucra com a destruição do nosso património natural ... quem deixa impunes os crimes que nos corroem o mais íntimo de nós mesmos! Ao longo desta caminhada de dor e sofrimento, testemunhei outra "coincidência" dos "fenómenos" que provocam os incêndios florestais: 90% ou mais do que vi queimado foram áreas de pinhal; as áreas de carvalhos e de outras caducifólias estavam praticamente intactas, mesmo que ao lado de extensas áreas devastadas. Porquê?...
Mas os (ir)responsáveis pela gestão florestal teimam em reflorestação com resinosas...! Porquê?...

(Este artigo foi escrito e publicado a 2 de Setembro de 2011 ... 2 anos depois desta dolorosa caminhada)

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

14 anos depois, regresso a Ordesa e a Gavarnie...
e atravesso os Pirenéus a pé!

Depois de em 2005 e 2007 ter levado os Caminheiros Gaspar Correia às terras mágicas de Somiedo, em 2009 e em colaboração com dois outros amigos daquela "família" ... levei-os aos Pirenéus. De 30 de Julho a 9 de Agosto, num misto de actividade turística, cultural e caminheira, foram 11 dias destinados essencialmente aos Pirenéus e ao sul de França. Há 14 anos que não ia a Ordesa...!  Há  19 anos que não
Llanos de la Larri, Pineta, Pirenéus aragoneses, 1.08.2009
ia a Gavarnie...! O Parque Nacional de Ordesa e Monte Perdido, na vertente espanhola, e o Circo de Gavarnie, na francesa, foram assim o palco de 4 fabulosas caminhadas ... numa das quais atravessámos os Pirenéus a pé, no sentido França - Espanha.
No último dia de Julho estávamos assim a entrar no país de Sobrarbe, antigo condado encravado nos Pirenéus aragoneses. Fizemos base em Bielsa ... e no dia 1 tínhamos a primeira caminha-da, aos Llanos de la Larri, sobre o vale de Pineta, passando na base das cascatas do Cinca e da vertiginosa subida ao Balcão de Pineta e ao Lago de Marboré; longínquo ia o ano de 1988, em que levei os meus alunos àquelas paragens altaneiras.
No cimo dos Llanos de la Larri, Pineta, Pirenéus aragoneses, 1.08.2009
Dia 2 de Agosto entrávamos em França ... e o destino era a mítica Gavarnie. A partir da vila, percorremos o vale que conduz ao famoso e fabuloso circo de Gavarnie ... que eu havia feito quase há 20 anos!
Circo e Cascata de Gavarnie, 3.08.2009
Na base da Cascata de Gavarnie, 3.08.2009

Dois dias depois - e depois de uma visita à cosmopolita Pau e a Lourdes - estávamos a atravessar os Pirenéus a pé, de França para Espanha! Subindo de autocarro desde Gavarnie até ao Col de Tentes ... a tentação era a de prosseguir para a mítica Brecha de Rolando. A travessia por essa emblemática passagem ainda chegou a estar pensada, mas tratar-se-ia de uma caminhada dura para muitos dos participantes. Talvez um dia ... talvez se ainda um dia subir mesmo ao Monte Perdido...
A travessia fez-se assim pelo Puerto de Bujaruelo (onde aliás tinha estado em 1990), descendo depois a vertente espanhola até àquela simpática aldeia, nas margens do rio Ara.
Descida do Puerto de Bujaruelo para a vertente espanhola, 5.08.2009
Filmando para o vale de Bujaruelo e o rio Ara, 5.08.2009
De Bujaruelo, seguimos o curso do Ara até Torla, passando junto à entrada do vale de Ordesa, que faríamos no dia seguinte, 6 de Agosto. E para o vale de Ordesa tínhamos contratado o acompanhamento por guias locais, fundamentalmente para permitir a divisão do grupo em dois: a maioria subiu a espectacular Senda de los cazadores, seguindo depois a Faja de Pelay até ao fundo do vale. A Faja de Pelay é um dos muitos trilhos existentes nas vertentes das paredes rochosas de ambos os lados do vale de Ordesa, permitindo panorâmicas espectaculares. Num dia também ele espectacular, a Brecha de Rolando mostrou-se-nos sobre os paredões rochosos de Cotatuero. E quando começamos a descer para o vale ... abre-se-nos o espectáculo grandioso do Monte Perdido e do Soum de Ramond, os dois cumes que fecham aquele magnífico circo.
E lá está a Brecha de Rolando, passagem mítica dos Pirenéus, na fronteira franco-espanhola, 6.08.2009
O vale de Ordesa, o Monte Perdido e o Soum de Ramond, vistos da Faja de Pelay, 6.08.2009
Cascata de Cola Caballo, 6.08.2009

À hora do almoço estávamos a encontrar-nos com o segundo grupo, que fez o percurso sempre pelo fundo do vale. O ponto de encontro foi junto à imponente cascata da Cola de Caballo, aos pés do Monte Perdido e precisamente onde as montanhas fecham aquele circo glaciar. Estar naquele local é viver uma Natureza impressionante, que cativa e seduz ... e nos faz sonhar com outras aventuras que ainda um dia gostava de fazer... J.
O regresso de todo o grupo foi pelo fundo do vale, acompanhando o rio Arazas e as suas sucessivas gradas, ou degraus rochosos, as Gradas de Soaso. Bosques de faias acompanham grande parte do percurso ... o percurso que havia feito pela primeira vez em 1983 ... 26 anos antes!
E dia 7 iniciávamos o regresso a casa, calmamente, ao longo da nossa Península Ibérica: uma etapa transversal, a sul da cordilheira pirenaica e com uma visita à navarra Pamplona, e duas etapas cruzando a meseta castelhana, por Soria e Aranda de Duero.

Ficam os percursos destas quatro fabulosas caminhadas:


1 de Setembro de 2011

domingo, 12 de julho de 2009

Das margens do Tejo, Côa e Águeda ... aos cimos de Mogadouro e Montemuro

De 12 a 14 de Junho estávamos de novo na raia, mas desta vez mais a norte, na zona de San Felices de los Gallegos e de Castelo Rodrigo e Pinhel, com os Caminheiros.  Foi a actividade preparada em 13  e  14
Ponte de los franceses, ou de Barba del Puerco, 13.06.2009
de Maio, de minha responsabilidade, baseada nas caminhadas que havia feito com o CAAL. Alojados na Aldeia de São Sebastião, a primeira caminhada, no sábado, iniciou-se na castelhana San Felices de Los Gallegos, para descer ao vale do Águeda e passar a ponte de Barba del Puerco, mandada erigir por D. Dinis. A posterior subida do Águeda para Puerto Seguro viria a revelar-se bem dura, devido ao calor extremo que se fez sentir. Para a segunda parte da caminhada, entre  Puerto Seguro  e  Almofala,  houve  várias
"baixas", felizmente tudo sem consequências.
Descida para a ribeira de Tourões, 13.06.2009
O Côa visto da Serra do Calvo, 14.06.2009
O Côa, junto à foz da Ribeira de Gaiteiros, Pinhel, 14.06.2009
Cruzada a Ribeira de Tourões, estávamos em Portugal.
O dia seguinte foi felizmente bastante menos quente. Do Águeda passámos ao Côa, na zona de Pinhel, ao longo da Serra do Calvo, entre a Ribeira de Gaiteiros e o Côa.

E menos de uma semana depois estávamos a subir o Tejo ... de comboio! Efectivamente, há muito que queríamos fazer o "passeio" ribeirinho que é a linha da Beira Baixa. Uma ida a Alpedrinha, de caminho para Vale de Espinho, proporcionou-nos esse reviver das velhas viagens ferroviárias. Era ... a "Estação da Minha Vida"...
O reviver ... da "Estação da Minha Vida"
(margens do Tejo, 19.06.2009)
Durante a estadia em Vale de Espinho que se seguiu, no fim de semana de 27 e 28 de Junho participei numa actividade do CAAL, por cimos do Mogadouro. Duas excelentes caminhadas, primeiro pelos montes que envolvem aquela típica vila transmontana, no dia seguinte pelo vale do Sabor, entre a pequena e rústica aldeia de Salgueiro e a de Castro Vicente.
Por Cimos do Mogadouro, 27 e 28.06.2009 (clique para abrir o álbum)
De Mogadouro regressei a Vale de Espinho, mas em 11 e 12 de Julho, também com o Ar Livre (CAAL), foi a vez de uma "aventura em Montemuro": também duas belas caminhadas, a primeira entre a aldeia de Cotelo e a Serra de Vila Lobos, à vista de Lamego, e a segunda na encosta sudoeste da serra, entre as Portas de Montemuro e a aldeia de Tulha Nova.
As panorâmicas, particularmente desta segunda caminhada, foram fabulosas, atravessando-se também a aldeia abandonada de Levadas. Pouco mais de 15 dias depois ... estava nos Pirenéus...

Aventura em Montemuro, 11 e 12.07.2009 (clique para abrir o álbum)
31/08/2011

quinta-feira, 21 de maio de 2009

De Vale de Espinho a Pesqueiro e à Marvana ...
... ou quando levo uma lição arraiana... J

Agora que estávamos ambos em "férias eternas", entre 11 e 25 de Maio de 2009 passámos pela primeira vez duas semanas seguidas em Vale de Espinho. Nos dias 13 e 14 recebemos dois casais amigos dos Caminheiros, para fazer a prospecção daquela que viria a ser a actividade de Junho  ...  e  no dia 21  levei
O vale de Pesqueiro e a Serra da Marvana, 21.05.2009
uma "lição"... J. Um primo que vive em França e que estava igualmente a passar uns dias em Vale de Espinho ... voluntariou-se para ir comigo na caminhada que eu estava a projectar, uma caminhada pela "minha" serra da Malcata, ao longo da raia, descendo ao vale de Pesqueiro e subindo à Marvana, a Marvana das lendas dos tesouros escondidos, dos romances de amores e desamores, a Marvana da “Rosa da Montanha” e dos crimes do bando do Montejo. Fiquei dividido entre o querer fazer-lhe a vontade e o receio do "empecilho" que provavelmente seria, numa caminhada de cerca de 30 km de sobes e desces. A imagem da "aventura" com o meu júnior, no Gerês, não me saía da memória; e com a agravante de ali ser muito menos provável do que no Gerês encontrar alguém pelo caminho...!
Assim, foi muito com o "credo na boca" que saí de Vale de Espinho, às 7 e meia da manhã daquele dia 21 de Maio. À hora marcada … lá estava o primo fresco e pronto para a caminhada. E lá partimos serra acima. Pouco tínhamos passado, contudo, da ponte romana sobre o "meu" Côa … quando as minhas dúvidas se começaram a desvanecer. O primo, afinal, andava bem... J! Em 55 minutos vencemos os 5 km que separam Vale de Espinho do limite entre as Beiras, chegando portanto também poucos minutos depois à raia espanhola. São 5 km sempre a subir … e que eu nunca tinha levado tão pouco tempo a fazê-los. Bem, pensei eu nessa altura, "estás aqui estás desfeito" e não vamos conseguir chegar à Marvana, a cujo cimo eu ainda nunca tinha chegado a ir e que era o objectivo da caminhada. Continuámos. A partir do limite entre as Beiras a caminhada acompanha sempre a raia e a cumeada, por terreno mais ou menos plano e que sobejamente conheço … e chegámos à chamada ladeira grande. A ladeira grande é, como o nome indica, uma grande ladeira que desce para o vale de Pesqueiro, em Espanha, por onde não precisávamos, portanto, de ir; para a Marvana era sempre em frente, pela cumeada. Mas, ante a hipótese de irmos e voltarmos pelo mesmo caminho (como realmente teria de ser), surgiu a hipótese de descermos a Pesqueiro e depois subirmos à Marvana pelo lado espanhol … hipótese que o meu companheiro logo abraçou. E assim fizemos; seguiram-se, portanto, 5 km sempre a descer … e a descer bem, já que neles passámos dos 910 metros de altitude para os 430! Passámos o Arroyo de la Mina junto à antiga Barroca de la Casa de Campo … e aí enfrentámos a primeira subida a sério! E, qual não é o meu espanto … quando vejo o primo a subir aquela vereda à mesma velocidade a que fazia tudo o resto! Em 800 metros vencemos 200 de desnível … ou seja uma inclinação de 25%. Aí, o meu coração começou a dizer ao cérebro: "eh pá, tu não tens pedalada para aquilo; vai mas é ao teu ritmo, antes que seja a ti que têm de levar às costas"! E eu obedeci às "instruções" … apesar do "transtorno psicológico" de ver à minha frente alguém que não era suposto estar à minha frente... J!
O "guia" ... e o "atleta de competição"... Cume da Marvana, 21.05.09
Depois daquela subida vertiginosa … outras se seguiram, até à Marvana … em todas elas com o primo à minha frente e a reduzir, nitidamente, a velocidade por minha causa. E ainda por cima dizia que os ténis (pouco apropriados para qualquer caminhada, por pequena que fosse) lhe estavam a começar a provocar "ampolas" nos pés (do francês "ampoules"…).
Às 10h55 estávamos no cimo da Marvana, a 860 metros de altitude e com 19 km desde Vale de Espinho, feitos em menos de 3 horas e meia e, portanto, à média de 5,4 km/h … o que é de longe o meu record pessoal em terreno tão acidentado! Embora a uma hora ainda pouco própria para isso, propus ali a paragem para deglutirmos as sandes e as maçãs que levávamos nas mochilas. É que, até ali, as muito poucas e rápidas paragens tinham sido, apenas, para uma ou outra fotografia e para verter líquidos biológicos. O primo lá aceitou a paragem … mas "declarou" que não tinha fome e, efectivamente … nada comeu. Mas eu comi... J!
Meia hora depois de nos sentarmos … levantámo-nos para reiniciar a marcha. Ainda propus a alternativa entre regressarmos a Vale de Espinho ou continuarmos para sul. Estávamos mais perto da estrada ValverdePenamacor, e mesmo de Penamacor, do que de Vale de Espinho; na estrada Valverde – Penamacor poderíamos arranjar uma boleia, e de Penamacor regressaríamos de camioneta ou de táxi. Mas
Relevo típico da Malcata ... no regresso a casa, 21.05.2009
a resposta do Quim foi curta e sintética: "Vale de Espinho"... J! E assim, às 11h25, iniciámos o regresso, primeiro pelo mesmo troço em que tínhamos chegado à Marvana … mas depois seguindo pela cumeada, já não voltámos a descer a Pesqueiro, claro.
O cume da Marvana e Vale de Espinho estão sensivelmente à mesma altitude (Vale de Espinho apenas mais 10 metros, 870m) … mas entre as duas ainda teríamos de subir aos 1015 metros do Clérigo, o limite entre as Beiras. Foram 16 km feitos em duas horas e meia, com uma pequena paragem de 10 minutos numa sombra … e onde o meu acompanhante finalmente resolveu comer uma maçã, único alimento dele em toda a jornada. Adivinham quem ia sempre à frente nas subidas... J?
E assim, com 35,4 km percorridos, às 14h45 estávamos de regresso a Vale de Espinho … tendo feito os últimos 5 km (agora a descer…) em 45 minutos (média de 6,7 km/h…). Nos últimos 8 a 10 km, já se queixava bastante dos pés (as "ampolas" estavam a chateá-lo) e, também, dos joelhos … mas não era por isso que abrandava, ou até antes pelo contrário! A minha "sócia" e a mãe do primo regozijaram com a nossa vinda bem mais cedo do que tinham imaginado … e do que eu tinha imaginado. Ele, quando chegou … foi pôr os pés de molho em água quente com sal! Eu … acordei uma hora depois, com um telefonema… J! Só depois é que a banheira me recebeu … e aquele banho soube a prodígio dos deuses!
Se o primo gostou? Adorou, segundo disse e se via! Pelas paisagens, pela experiência, por ter testado a sua resistência. Joga futebol todas as semanas ... e eu começo portanto a dar mais valor ao futebol... J! À noite tinha os pés num estado um bocado lastimoso, para ir da sala ao quarto creio que levava mais tempo do que levou a fazer qualquer subida … mas adorou! Os meus pés … esses felizmente estavam inteiros e sãos … pelo que à noite eu me sentia bem melhor do que ele… J!
Se gostei? Adorei! Pelas paisagens (a maioria já sobejamente conhecidas mas nunca cansadas), pela experiência … e por ter testado os meus limites, creio! Cheguei mais cansado do que no fim de qualquer outra caminhada. Se a tivesse feito sozinho, como planeara, não me teria cansado, mas claro que adorei ... inclusive pela companhia. Obrigado Quim... J! Foi preciso um futebolista não habituado a caminhadas (e que supostamente deveria fazê-las atrás de mim…) para me dar uma lição... J!
30/08/2011

domingo, 3 de maio de 2009

Da Serra da Freita ao Alentejo florido

O concelho de Arouca e a Serra da Freita foram palco da actividade de Abril de 2009 dos Caminheiros Gaspar Correia, no fim de semana de 18 e 19. Sábado fizemos uma caminhada curta, entre a aldeia de
Aldeia de Vilarinho, Serra da Freita, 18.04.2009
Vilarinho e o alto do Campelo, a que se seguiu a visita ao Centro de Interpretação Geológica de Canelas, que incluiu a "Rota do Paleozóico", um percurso circular onde se conta um capítulo da história geológica desta região. Ali foram identificadas, até agora, dezanove espécies de trilobites que, para além de apresentarem um excelente estado de conservação, impressionam pelo gigantismo das suas formas e pelo facto de pertencerem a espécies raras.
Domingo, partindo do parque de campismo do Merujal, fizemos um belíssimo percurso circular, passando pela célebre cascata da Frecha da Mizarela e pela aldeia de Castanheira, perto da qual se aprecia o fenómeno geológico das pedras parideiras. Contornando o Monte Calvo e a Portela da Anta, descemos depois o alto Caima para Albergaria da Serra, de onde regressámos ao Merujal.
Trilho da Frecha da Mizarela, 19.04.2009
Ao longo do Alto Caima, Serra da Freita, 19.04.2009
15 dias depois, de 1 a 3 de Maio, descemos às terras de Barrancos e de Santo Aleixo da Restauração, em nova actividade caminheira, com uma caminhada no sábado entre o Monte da Coitadinha e o Monte da Encomenda, passando pelo célebre Castelo de Noudar, e no domingo na Serra da Adúa, próxima de Santo Aleixo, onde aliás terminámos ... com uma espectacular exibição de cantares alentejanos, por parte de um grupo que integrava os nossos anfitriões e organizadores da actividade.
Castelo de Noudar, Barrancos, 1.05.2009
Alentejo florido: Rio Ardila, 1.05.2009
Em terras de Sto Aleixo da Restauração, 2.05.2009
Momentos mágicos... nas ruas de Sto Aleixo, 2.05.2009

29/08/2011

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Primavera branca em terras de Somiedo

Se tínhamos feito um Outono raiano com o nosso "grupo dos sete" ... porque não uma Primavera somedana?... Os 5 grandes amigos da "equipa" foram ter connosco a Vale de Espinho  ...  e de  2  a  8 de
Puerto de Somiedo, 2.04.2009: Primavera branca
Abril de 2009 fui-lhes mostrar as "minhas" terras de Somiedo, no paraíso asturiano, terminando na capital, Oviedo. E Somiedo tinha uma surpresa à minha e à nossa espera: naquele início de Abril ... Somiedo estava pintado de branco, o branco imaculado da neve!
É assim que a meio da tarde de 2 de Abril lhes começo por apresentar La Peral e o miradouro Príncipe de Astúrias, sobre o vale de Somiedo. Ao sair do carro, em La Peral, recebi um elogio inédito: "tu pareces o meu Blacky, a sair do carro disparado e a abanar o rabo"! Tendo em conta que a alegoria respeita à paixão pelo ar livre, pela Natureza pura ... não me ofendi com a comparação canina... J.  E  no dia seguinte fazíamos  a primeira  de
Braña de Mumian, 3.04.2009
duas caminhadas na neve.
Quando em Julho de 2006 subi de Coto de Buenamadre ao Puerto de Somiedo, conheci a Braña de Mumian, mas ficou a faltar fazer uma caminhada clássica: de Llamardal, na estrada Pola - Puerto de Somiedo, a Mumian e Coto. Foi essa caminhada que escolhi para o dia 3 de Abril ... com o espectáculo grandioso do vale de Somiedo salpicado pelos cumes cobertos de neve. Grande parte da caminhada foi aliás em neve, incluindo Mumian. Só já na descida para o Coto deixámos o manto branco.

A visão mágica do vale do rio del Lago, 3.04.2009
Claro que fomos visitar a nossa amiga Rosalía, descendo depois até Pola de Somiedo ... e aos nossos amigos Herminio e Luz, da "Casa Miño", onde estávamos alojados.
O dia seguinte foi dia de descanso em Pola. Mas, à tarde ... tinha que apresentar aos nossos amigos a aldeia "mágica" de Saliencia. E lá fomos. Todo o vale do rio Saliencia era também um postal de maravilha, convidativo à poesia, à meditação. Soube que o velho Albergue de Saliencia tinha fechado, o amigo Roberto Menendez tinha emigrado para outras paragens.
Na aldeia mágica de Saliencia, 4.04.2009
Igreja de Saliencia, 4.04.2009
Dia 5 de Abril ... segunda caminhada. É claro que a caminhada dos lagos, além de impraticável pela neve, seria impensável para aqueles nossos amigos, sem treino de pedestrianismo. Mas dar-lhes a conhecer apenas o Lago del Valle, a partir de Valle de Lago ... devia ser possível. E lá fomos ... para uma paisagem de Somiedo como eu próprio não a conhecia!
O vale do rio del Lago, 5.04.2009
Lago del Valle ... gelado, 5.04.2009
Desde pouco acima do bairro de L'Auteiro, em Valle de Lago, quase tudo era uma imensidão branca, das encostas dos Picos Albos às colinas da Braña de Sousas e ao próprio Lago del Valle, cuja superfície se encontrava gelada. À hora de almoço, enquanto os restantes ficavam na margem do lago gelado ... ainda subi parte da encosta dos Albos, de onde a panorâmica era sublime.
Panorâmica da encosta dos Picos Albos para o vale do rio del lago, 5.04.2009
Regresso a Valle de Lago, 5.04.2009
No regresso, pela margem esquerda do rio del lago, diversas vezes nos enterrávamos na neve até acima do joelho! Foi sem dúvida uma caminhada "aventurosa" e espectacular.
No regresso a Valle de Lago, 5.04.2009
Dia 6 era dia de deixar as terras de Somiedo, rumo à capital asturiana. Mas ... até lá tínhamos os valles del oso para atravessar. Visitámos a Colegiata de San Pedro de Teverga, a Casa del Oso, em Proaza ... e fomos almoçar à nossa velha conhecida "Casa Generosa", em Pedroveya, a aldeiazinha términus da também já bem conhecida ruta de las xanas. Depois ... estávamos em Oviedo.
26/08/2011

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Caminheiros ... e terras raianas...
(Agosto de 2008 a Março de 2009)

Depois da "aventura" no Gerês e do Intercéltico de Sendim ... regressámos a Vale de Espinho. E o segundo semestre de 2008, bem como a Primavera de 2009,  foram  caracterizados  por  sucessivas  fugas
Torres das Ellas, Serra do Espiñazo, 12.08.2008
para o nosso retiro arraiano, intervaladas pelas actividades com os Caminheiros Gaspar Correia ... uma delas na raia... J!
A 12 de Agosto de 2008 parto do Lameirão dos Foios e da nascente do Côa para os Llanos de Navasfrias, passando pela nascente do Águeda, para depois cruzar a Serra do Espiñazo (as Torres das Ellas) e terminar no Puerto de Santa Clara, sobre San Martín de Trevejo. 14 km de panorâmicas fabulosas, que eu já conhecia de outras "andaduras", mas que dei a conhecer à minha "colega especial", ao sobrinho dela mais novo ... e ao filho que, menos de um mês antes, tinha protagonizado a "aventura" no Gerês.
Numa caminhada muito mais acessível ... ele lá se redimiu em parte... J!
Dia 21 de Agosto guiei outra "equipa familiar" numa jornada de quase 20 km pela Serra Alta e Matança, sobre Aldeia do Bispo. No dia seguinte, estabeleço aquele que é ainda hoje o meu record pessoal de distância percorrida num dia: atravesso a Serra da Malcata pelo Espigal, Espiguinho e Forninhos, do Meimão subo à cumeada do Muro de Facas, sobrancei-
ro a Santo Estevão, a noroeste, e à barragem da Meimoa, a sudeste. Desço à Feiteira e ao Vale da Senhora da Póvoa. Com 33 km já percorridos, o plano era apanhar boleia do meu filho mais novo no Terreiro das Bruxas, já que era dia de ele vir para Vale de Espinho. Mas ... quando passei no terreiro das Bruxas ainda ele estava no caminho ... e eu segui o caminho de regresso. Apanhou-me quase no Sabugal, com quase 46 km percorridos em 12 horas e meia J.
A 14 de Setembro faço mais uma romagem ao vale da ribeira dos Urejais ... e às Fontes Lares.  E  no fim  de
Castanhal de Ojesto, San Martín de Trevejo, 25.10.2008
Outubro levamos mais uma vez o nosso "grupo dos sete" a Vale de Espinho, para um Outono na raia. Do lado espanhol, no dia 25 fazemos com eles a fabulosa descida do castanhal de Ojesto, do Puerto de Santa Clara a San Martín de Trevejo.
Entre San Martín de Trevejo e as Ellas, em data "especial", de 5 a 8 de Dezembro entregamo-nos ao luxo da "Almazara de San Pedro", na base da Serra da Gata. Com Vale de Espinho ali tão perto, mas foi uma maneira de comemorar, em plena Natureza ... 35 anos de vida em comum...J! E até o fim de ano foi raiano; de 26 de Dezembro a 2 de Janeiro ... Vale de Espinho.

Entretanto claro que continuavam em pleno as nossas andanças com a "grande família" Caminheira - os Caminheiros Gaspar Correia. De Setembro a Janeiro, da Arruda dos Vinhos ao curso do Trancão, passando por terras de Mora e de Grândola, as actividades sucediam-se, sempre em ambiente de franca e sã camaradagem. Por sinal, as actividades de Dezembro, Janeiro e Fevereiro foram de minha responsabilidade: as de Dezembro e Janeiro à descoberta do curso do Trancão, da Póvoa da Galega a Bucelas e a Sacavém; a de Fevereiro ... nas terras raianas dos Foios, Navasfrias e Serra da Enxalma, no fim de semana de 14 e 15 de Fevereiro. Sábado começamos a caminhada na praia fluvial dos Foios, subindo à nascente do Côa e atravessando depois a raia pelas antigas bredas do contrabando. Tanto nos Foios como em Navasfrias, fomos recebidos pelos respectivos Presidente da Junta e Alcalde, visitando a seguir o Centro de Interpretação da Natureza, junto à área de El Bardal, em cujas instalações o grupo ficou alojado ... e onde fizemos a tradicional festa de Carnaval Caminheiro.
Domingo era o dia da "grande caminhada" do Xalmas, que nos brindava com o manto branco da neve a partir de meia encosta. O espectáculo da progressão na neve, as extraordinárias panorâmicas do cume e a descida para a encosta estremenha fizeram desta caminhada uma jornada memorável. O autocarro esperava-nos na pequena aldeia de Trevejo, cujo castelo medieval, dominando a planície de Valverde, com a Marvana ao fundo, constituiu um excelente quadro final de actividade. Dali regressámos a Lisboa.
Subida ao cume do Xálama, com Payo ao fundo, 15.02.2009
Rumo ao cume do Xálama (1493m alt.), 15.02.2009

Entretanto, a 6 de Fevereiro, o jornal "Cinco Quinas", do Sabugal, publicara uma entrevista onde surjo como "filho adoptivo e adoptado da raia"... J
E no último dia de Fevereiro ... a minha "colega especial" recebia a sua "carta de alforria" e chegava também ao fim do "nosso" Ensino. Estávamos os dois aposentados! Agora passávamos a ter "todo o tempo do mundo" para nós, para os filhos e netos, para as nossas paixões. Em Vale de Espinho, passaríamos a estar mais tempo em cada "fuga"; a primeira foi no fim de Março de 2009, para no início de Abril partirmos da raia ... para as terras mágicas de Somiedo!
25/08/2011