Este blog está programado e paginado para Microsoft Internet Explorer. Noutros browsers, é natural alguma desconfiguração.

terça-feira, 2 de agosto de 1994

Por terras da Gardunha ... com regresso a Vale de Espinho!

Em Março do ano anterior, tínhamos almoçado na sempre simpática vila de Alpedrinha,  terra  adoptiva  de
Alpedrinha, 10.06.1994
um dos professores da "equipa" que levou os alunos à Serra da Estrela. Em Junho de 1994, aproveitando o feriado de dia 10, o homem da poesia e da literatura proporcionou ao resto da "equipa" 4 espectaculares dias em Alpedrinha e na Serra da Gardunha.
Na Serra da Gardunha, 10.06.94
Casa da floresta de Alcongosta
Éramos três casais e filhos, instalados na vetusta casa de pedra da família Boavida,  no  centro  da  vetusta vila de Alpedrinha. A piscina, a velha vinha, e, claro, a Serra da Gardunha, preencheram o feriado. Pelo Fundão e Alcongosta, subimos de carro à casa florestal e à Penha; não os consegui cativar para uma jornada pedestre...L.
No sábado, o destino foram as terras de Idanha, bem como o "pog" de Monsanto; e no domingo, 12 de Junho, tinha de ser o regresso.
Nas muralhas de Monsanto, 11.06.1994
"Ressuscitarei dos mortos"...J
Palácio do Picadeiro, Alpedrinha, 12.06.94
 
A 29 de Julho estava a partir para férias. Passados uns tempos, nem nós próprios acreditávamos: seria possível que ... há 7 anos que não íamos a Vale de Espinho?!  Como tinha sido possível?  Mais  ainda  do
que naquela época, hoje parece-me impensável que tivessem passado 7 anos sem ir à "minha" terra, à "minha" Vale de Espinho, à "minha" Malcata, aos "meus" campos e lameiros. A terra já havia levado o velho Zé Joaquim Malhadas, pai de meu sogro, bem como as duas avós da minha arraiana, as velhas "ti Guta" e a "ti Maria Clementa". Mas principalmente o ramo familiar emigrado em Tours continuava a ter lá casa ... uma das quais tinha sido e iria continuar a ser o nosso "poiso".
E de Vale de Espinho partimos um dia à descoberta das Serras da Gata e da Penha de França, atravessando a região de Alberca e de Las Hurdes. Las Hurdes, onde Luís Buñuel encontraria em 1933 a matéria-prima para as suas idéias cinematográficas; as lentes da câmara captam de maneira crua a vida miserável dos hurdanos, os seus costumes e tradições, as doenças, as migrações, a precariedade da agricultura, a distância que os habitantes precisam percorrer para levar os seus mortos ao cemitério mais próximo; um lugar esquecido, retratado no célebre documentário "Las Hurdes, tierra sin pan".
Cume da Penha de França, 26.07.1994
Paisagem, Malcata, 1.08.1994
Torre da Machoca, Malcata, 1.08.1994
 
É também pela primeira vez que, a partir de Vale de Espinho, nos embrenhamos a sério no paraíso da Malcata. A partir da velha estrada da carreira de tiro da Meimoa, chegamos às margens da barragem, passamos o Meimão, subimos ao alto da Machoca ... e maravilhamo-nos com a paisagem a perder de vista: da Serra da Estrela às Mesas, com o vale do Côa aos pés ... aquelas eram efectivamente as "minhas" terras!
Mas as férias prosseguiriam a sul: uma volta pelas praias do Sudoeste Alentejano fez-nos recordar a excursão com alunos. E, no fim ... Santa Cruz uma vez mais ... e mais uma vez uma ida às Berlengas.
 
15 de Março de 2011

sábado, 26 de março de 1994

Nos Parques Naturais do Alvão e de Montesinho ... com um "desvio" a Mérida

Nas infelizmente contínuas mudanças curriculares do Ensino, a disciplina de Ecologia desapareceu do Secundário e a componente geológica voltou a surgir, numa disciplina com o bonito nome de Ciências da Terra e da Vida. Em 1994, leccionava duas turmas daquela disciplina; numa delas ... um dos alunos era sobrinho da minha mulher. A integração da geologia e as noções de geodinâmica deram o mote para conhecer, como actividade de campo, paisagens de caos graníticos, de vales glaciários. E assim surge pela primeira vez a ideia do Parque Natural do Alvão como potencial objectivo de "aventuras" com alunos, podendo sempre associá-lo ao Gerês ou a Montesinho.  Programa-se  assim  para  Março  de  1994  uma
Mar de nuvens no Alvão, 12.02.1994
visita aos Parques Naturais do Alvão e de Montesinho. Dado que não conhecia o Alvão, antes de levar os alunos entendi fazer o reconhecimento prévio do que lhes ia mostrar, pelo que em 11 de Fevereiro partia com a família para 3 dias no Alvão, com "base" em Vila Real, para preparação daquela visita. A aldeia de Lamas de Olo, as Fisgas de Ermelo, a serra do Alvão em geral ... passaram desde logo a fazer parte da minha lista de espaços naturais a recomendar, dar a conhecer, partilhar. Nesses dias de Fevereiro, grande parte da serra estava aliás debaixo de neve, testemunhando espaços, gentes e vivências perdidas no tempo e calejadas pela labuta tradicional.
Fisgas de Ermelo,
12.02.1994
O Alvão com neve, 12.02.1994
No regresso destes 3 dias, fomos também conhecer o Parque Biológico de Gaia, excelente local para dar a conhecer aos alunos espécies emblemáticas da nossa fauna e flora, para além de aspectos ligados à desejável harmonia Homem / Natureza.

Mas antes da visita ao Alvão e Montesinho com alunos, no início de Março acompanhei colegas e turmas da área de humanísticas numa visita às ruínas romanas de Mérida. Curiosamente, destas turmas de humanísticas e das minhas turmas de ciências, havia de vir a formar-se um grupo interdisciplinar que, nos anos seguintes ... se iria "aventurar" nos Pirenéus e nas ilhas atlânticas dos Açores!
Para além da visita e dos conhecimentos transmitidos e adquiridos, esta excursão a Mérida ficaria também nas memórias por alguns acontecimentos "insólitos": acampados no parque de campismo local, o pessoal acorda de manhã ... sem saber dos ténis ou botas que havia deixado junto à entrada das tendas. Mas, começando a olhar em redor ... apercebemo-nos de umas estranhas árvores que tinham por "frutos" ... ténis pendurados! Quem havia sido? Bem ... o motorista do autocarro! O mesmo que inicialmente, de vassoura em punho, limpava os pés ao pessoal antes de entrar no autocarro...! É também neste parque de campismo que se assiste, talvez pela única vez na vida, à tentativa de um professor de Literatura e grande amigo ... de prender a atenção de um gato para a poesia que ele pacientemente lhe lia! Bem ... e tudo isto depois de, na tenda dos professores, termos ficado os 4, até altas horas da noite, a filosofar à volta do fio que nos conduz, da probabilidade da origem e evolução da matéria por uma sucessão de acasos, da inteligência do universo ... ou daquilo que se lhe queira chamar ou crer.

E, a 23 de Março, os meus alunos de Ciências da Terra e da Vida partem então para a visita ao Alvão e Montesinho. Os meus dois filhos, já ambos alunos da Escola, embora não daquelas turmas, acompanham-nos nessa qualidade, a única que sempre tiveram no que respeita à escola: alunos.
Sobre as Fisgas de Ermelo, 23.03.1994
O primeiro dia foi dedicado à zona de Ermelo, no Parque do Alvão, incluindo um pequeno percurso a pé entre as cascatas das Fisgas de Ermelo e a ponte romana do Rio Olo ... onde houve lugar a banhos naquelas águas límpidas mas gélidas. Em Vila Real, alojámo-
nos na Pousada de Juventude, para no dia seguinte partir "à descoberta" do caos granítico de Muas e da aldeia de Lamas de Olo. Para a maioria dos alunos - que haviam de ser meus durante 3 anos seguidos - era mais uma vez a descoberta do mundo rural, de um mundo completamente diferente daquele que conheciam e em que cresceram. Em 94, o velho aqueduto de Lamas de Olo ainda levava a água ao seu moinho...
Depois, foi uma tarde de viagem, entre o Alvão e Montesinho. Pela segunda vez, íamos ficar na casa da Lama Grande, "perdida" na imensidão da serra, quase na raia espanhola. E o terceiro dia começaria por uma "aventura" a cavalo, no Centro hípico da aldeia de França. Acompanhados por uma guia do Parque Natural, seguiu-se um percurso ao longo do vale do alto Sabor,  no seio de carvalhais  ainda  quase únicos
na Europa.
À semelhança de 1990 ... a posta mirandesa de Gimonde fez as delícias ao almoço...J! E à tarde seguiu-se Rio de Onor. Desta vez com guia, pudemos assim inclusivamente conversar com duas simpáticas aldeãs, ouvindo um pouquinho do seu Rio-de-Onorês ... e aprendendo a fazer meia.
O fim de tarde foi dedicado ao Castelo e Domus de Bragança ... e a última noite na Lama Grande ficaria memorável. Desde uma caminhada nocturna até à raia espanhola aos cantares ao desafio, houve de tudo um pouco ... até mesmo uma sessão de "levitação"...J!
A manhã do último dia ... foi para pôr os sonos em dia! Entre Montesinho e o Porto, o autocarro mais parecia uma camarata ambulante...J! Mas ainda havia uma visita: ao Parque Biológico de Gaia, onde aliás almoçámos. E assim, ao longo de 4 dias, se juntou mais uma vez juventude, alegria de viver, vivências e aprendizagens, numa escola muito para além das matérias e das paredes da Escola.

“Estes foram, sem dúvida ... os melhores dias da minha vida !”
(Ana Patrícia Santos, 10º Ano, Visita aos Parques Naturais de Alvão e Montesinho, Março de 1994)
 
13 de Março de 2011