Este blog está programado e paginado para Microsoft Internet Explorer. Noutros browsers, é natural alguma desconfiguração.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Quarenta anos por fragas e pragas... (1970 - 2010)


Ninguém pode construir por ti as pontes que vais precisar de passar para atravessares o rio da vida. Ninguém, excepto tu, só tu. Existe certamente um sem número de atalhos e de pontes, semideuses que se oferecerão para te levar para além do rio, mas isso custar-te-ia a essência de ti próprio: hipotecavas-te e perdias-te. No mundo só existe um único caminho, por onde só tu podes passar. Aonde leva? Não perguntes, segue-o!
Friedrich Nietzsche

O blogue "Por fragas e pragas..." nasceu no dia 9 de Janeiro deste "ano da graça" de 2011, quando das comemorações do centenário do velho Liceu Passos Manuel. Em 9 MESES e nos 147 ARTIGOS publicados, recordei e revivi 40 anos de "aventuras" ... de fragas e de pragas, de 1970 a 2010. A corrida das memórias atingiu assim a meta do ano corrente! O "rapaz pacato" que iniciou esta viagem é hoje quase sexagenário ... mas mantém a paixão e a garra que cada vez mais o inspira e alimenta. Nos "paraísos perdidos" das suas serras e rios, nas suas três "terras natais", o nosso jovem, agora avô, continua a subir velhas bredas, a beber a água divina das fontes, a sentir a energia telúrica de escarpas e barrocos, a descer torrentes e ribeiras, a pulular de som e de vida … saltando as fragas. Quem sabe se as águas que hoje vê ainda são as mesmas que já viu antes ... as mesmas que ainda espera vir a ver.
Se for possível alguma metáfora, poderei arriscar que a "Fraga" que o Sebastião Antunes canta - nos "Contos de Fragas e Pragas" que inspiraram o título do blogue - é o "barroco sagrado" das minhas Fontes Lares, a Brazalite da "aldeia mágica" de Pitões das Júnias, a Peña Furada de Valle de Lago, nas "terras mágicas" de Somiedo ... ou tantas outras. As "lendas perdidas do pó das pedras" ou os "contos aprendidos à lareira quase apagada" ... são as memórias eternizadas na pedra da velha casa das Fontes Lares, são contos de amores e desalentos, são as lendas perdidas da Marvana, da esbelta "Rosa da Montanha", das cabanas perdidas nos currais do Gerês, das xanas e nuberus que se escondem na ramagem dos bosques de Somiedo, histórias de brañas e vaqueiros, de homens e de luta. As águas que brilham à luz da "Lua branca das ribeiras" ... são as águas do meu Côa, do alto Homem e das corgas do Gerês, do Pigueña e das torrentes de Somiedo ... e de tantas outras. À medida que escrevo e que sonho, no meio do silêncio ... estou a escutá-las...

E como "No canto de cada sonho nasce a vontade" ... este blogue vai continuar, agora acompanhando o presente. Os 40 anos aqui revividos ... foram a génese do que o "rapaz pacato" é hoje, pai, marido, avô ... mas apaixonado como sempre pelos paraísos perdidos que teima em desbravar. A acompanhá-lo ... a mesma companheira de sempre. Não necessariamente em todas as "aventuras", mas na grande maioria, e, principalmente ... na grande aventura da vida. Obrigado, companheira!
Enquanto tiver vida e forças ... é a caminhar que quero mostrar a mim próprio quem sou e o que sou. Há quem defenda que caminhar solitariamente é um risco. Tudo na vida é um risco...! Há que saber doseá-los. A tecnologia permite hoje que ninguém se perca em sítio nenhum do planeta, desde que se saiba usar os meios que aquela põe ao nosso alcance. Apesar de um bom sentido de orientação, não me meteria em várias das "aventuras" em que actualmente me meto sem recorrer ao GPS, que contudo é um simples PDA com o meu fiel OziExplorer instalado. Cartas pormenorizadas e georreferenciadas (e/ou imagem Google Earth), bateria(s) suplementar(es) consoante a duração da "aventura" ... e a progressão no terreno é acompanhada no aparelho, segundo a segundo, metro a metro. E não há imprevistos? Claro que há ... mas a vida é um imprevisto e um risco permanente, em qualquer lugar, em qualquer momento.

Pegando nos "Diários" de Miguel Torga ... ouso identificar-me com alguns dos seus escritos. Ouso até adaptar o primeiro dos pensamentos que transcrevo:
Pareço um doido a correr estas serras, estes rios e estes vales. Do Gerês à Malcata, do Côa ao Homem, das terras de riba-Côa às terras de Somiedo, não tenho sossego. "Talvez, sem eu ter consciência disso, cultivo-me assim pelos olhos e pelos pés, no alfabetismo íntimo das cousas, expressivas na sua luz, no seu clima e no seu paralelo particular. A terra não é igual em lado nenhum. Aqui encolhe-se, ali espalma-se, acolá afunda-se...
Devoro planícies como se engolisse bolachas de água e sal, e atiro-me às serranias como a broa da infância. É fisiológico, isto. Comer terra é uma prática velha do homem, antes que ela o mastigue, vai-a mastigando ele."
O presente post é simultaneamente o último ... e o primeiro de um novo blogue, ou melhor, do rejuvenescimento que assinala o seu cruzamento com a actualidade. Depois, o "novo" blogue contará as "aventuras" já vividas este ano. Ao contrário dos anteriores, retrospectivos, os respectivos artigos foram escritos na altura ... só não foram publicados. Se o fossem, misturar-se-iam com os anteriores, confundindo a sequência cronológica. Foram por isso guardados, à espera que as fragas do passado chegassem às fragas do presente. Vão agora conhecer a luz do dia, pausadamente, mas com a data das "aventuras" a que reportam e/ou em que foram escritos.
E como " a vida é feita de pequenos nadas " ... as coincidências e as fragas da vida fizeram com que um blogue, nascido no dia de um almoço que reuniu gente do meu velho Liceu Passos Manuel, onde fui aluno … acabe curiosamente, na sua parte retrospectiva ... no dia de um jantar que vai reunir mais de meia centena de ex-alunos meus, que viveram comigo tantas e tantas "aventuras" partilhadas em conjunto!
O "velho" blogue, que reviveu 40 anos de "aventuras", claro que se vai manter online, mas termina portanto com este post, dando lugar ao "novo", ao blogue das fragas e pragas do presente. Os 40 anos de fragas e pragas ultrapassaram as 15 mil leituras! A todos os que tiveram a paciência de me acompanhar ... bem hajam! Continuem a acompanhar-me no novo endereço http://porfragasepragas.blogspot.com/. Primeiro as fragas já vividas em 2011 ... e depois "em directo"... J!

   "Fraga", "Contos de Fragas e Pragas", Sebastião Antunes, "Quadrilha", 1992

23 de Setembro de 2011

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Rio Côa (3): da Quinta das Vinhas à Ribeira do Boi

Em Novembro e Dezembro de 2010, o rumo foi de novo Vale de Espinho e as terras raianas ... para mais uma etapa da descida pedestre do Côa! Em Julho tinha ficado na Quinta das Vinhas ... pelo que no dia 2
Da Quinta das Vinhas para o Côa, 2.11.2010
de Novembro lá estava, às 7 e meia da manhã, com 5,5ºC de temperatura. O carro ficaria junto à capelinha até à tarde. O vale do Côa estava ainda envolto nas neblinas e mistérios outonais.
O vale do Côa "perdido" na neblina e nas cores outonais
No emaranhado da vegetação ribeirinha, recomeçam os vestígios de épocas perdidas no tempo, no jogo da água e da pedra contado e cantado pelo correr do Côa.
Velhas açudes, águas de Outono (entre a Quinta das Vinhas e Rendo), 2.11.2010
Em direcção a Rocamador, o Côa volta a correr ao longo de autênticos paraísos ribeirinhos, como junto à velha Quinta dos Moinhos, ainda parcialmente activa, onde as ovelhas olhavam aquele estranho visitante.
O Côa na Quinta dos Moinhos, Rocamador, 2.11.2010
Da Quinta dos Moinhos ao cerro da Senhora das Preces é um pulo. Dois velhos castanheiros seculares guardam a capela e espalhavam os ouriços pelo chão, precisamente naquela altura de castanha. Depois volto a descer para o rio e para a Quinta de Rocamador.
Senhora das Preces, Rocamador, 2.11.2010
Acompanho agora sempre a margem esquerda do Côa. A Ribeira do Moinho Fernandes obriga-me a subir um pouco o seu curso, para a atravessar. "Navegando" agora sempre para norte, chego ao pontão e à Quinta do Perilhão, deixando para trás as pedras que testemunham a grande quantidade de moinhos que aqui existiam, alguns ainda com restos da respectiva maquinaria. Entro na casa grande da Quinta do Perilhão ... entro na nostalgia das velhas paredes ... e até dos velhos jornais ... de há 60 anos!
2.11.2010,
Quinta do Perilhão
Memórias perdidas ...
... há 60 anos!
Da Quinta do Perilhão à Rapoula do Côa é um salto, com as ruínas do Moinho do Morgado no caminho. E a praia fluvial de Rapoula do Côa, junto ao recuperado Moinho do Giestal ... é um paraíso à beira rio!
Rapoula do Côa: praia fluvial, 2.11.2010
Rapoula do Côa: praia fluvial e Moinho do Giestal
Rapoula do Côa: praia fluvial e Moinho do Giestal
Rapoula do Côa: praia fluvial, 2.11.2010
Ainda na Rapoula, pouco antes da ponte rodoviária, o Moinho das Poldras transpirava ainda a vida que a moleira Cesaltina lhe deu ao longo de décadas ... até há menos de um ano, na altura. Uma das últimas, se não a última moleira do concelho do Sabugal!
Moinho das Poldras, rapoula do Côa, 2.11.2010
Aqui viveu a moleira Cesaltina até menos de um ano antes
Junto à Rapoula do Côa, passando à margem direita, era obrigatório subir à Senhora das Preces ... a mesma de Rocamador ... mas merecendo aqui uma capela de maiores dimensões e um ponto altaneiro de maiores panorâmicas. Depois, rumo à praia fluvial de Vale das Éguas, passo o Moinho da Telhada e os Moinhos das Pisquerias, o primeiro deles recuperado e transformado em bela casa de habitação.
Senhora das Preces, Rapoula do Côa, 2.11.2010
Moinho da Telhada, a caminho da Ínsua de Vale das Éguas
E chego ao parque e praia fluvial da Ínsua, Vale das Éguas. Outro belo e aprazível recanto do Côa, bem adaptado e preparado para os picnics e convívios ribeirinhos. E, naquele dia de início de Novembro ... é ali que faço a inflecção ... porque o carro estava na Quinta das Vinhas. A jornada prosseguiria em Dezembro... 
Parque e praia fluvial da Ínsua, Vale das Éguas, 2.11.2010
E 2010 estava a terminar. A 27 de Dezembro, Vale de Espinho e o Côa recebem-me de novo. As águas invernais correm da Fonte Moira,  pelo Vale da Maria,  pelos meus campos  e  lameiros,  que  corro  num
Águas invernais
gélido dia em que a temperatura não passou de uns escassos 3ºC.
Dois dias depois, quase no fim do ano e de novo num dia bastante frio e a ameaçar chuva, a descida pedestre do Côa avançou uma muito curta etapa de pouco mais de 2 km "úteis", da Ínsua à foz da Ribeira do Boi, afluente da margem esquerda do Côa antes das povoações de Seixo e Valongo do Côa. E se em Novembro cheguei à Ínsua pela margem direita, em Dezembro fi-lo pela margem esquerda, a partir das renovadas Termas do Cró e pelo chamado Cerro da Pena. Atravessado o rio, o troço a norte da Ínsua revelou-se-me igualmente de grande beleza, particularmente entre o Moinho do Martins e o Moinho da Fraga, até à Ribeira do Boi.
Perto do Moinho da Fraga, entre a Ínsua e a foz da Ribeira do Boi, 29.12.2010
Picoto do Seixo, 811m
Para voltar ao carro ... não houve outro remédio se não voltar à Ínsua, para regressar à margem esquerda.
Mas, ao fundo, o Picoto do Seixo chamava-me, altaneiro. E o apelo venceu: pouco antes do meio dia estava no geodésico do Picoto do Seixo. Como nuns "contos de fragas e pragas", eu dominava o vale do Côa, com as povoações de Seixo do Côa e Valongo do Côa de ambos os lados do "meu" "Rio Sagrado". Mas os céus daqueles "contos de fragas e pragas" estavam cada vez mais cinzentos ... e o bater em retirada foi no sítio certo e à hora certa: pouco depois de regressar ao carro, desabou uma fortíssima chuvada, acompanhada de forte trovoada.
Menos de meia hora depois estava em Vale de Espinho.
Picoto do Seixo, 29.12.2010
Vinha lá forte chuvada ... pelo que houve que bater em retirada!
Clique para ver o álbum completo
"Contos de fragas e pragas"...   Picoto do Seixo, 29.12.2010

Entretanto, com a minha "família" Caminheira, em 13 de Novembro tinha estado nas terras alentejanas de Pias. E, em 18 de Dezembro, o ano de 2010 terminara em terras da Lamarosa, Coruche, em caminhada natalícia. "Por fragas e pragas" ... estávamos a chegar ao ano da graça de 2011!

*
*    *

Com este artigo ... completam-se 40 anos de recordações! A "etapa" descrita da descida pedestre do Côa, no dia 2 de Novembro ... fi-la exactamente 40 anos e 1 dia depois da minha "estreia" na Espeleologia, no longínquo dia 1 de Novembro de 1970, nas grutas de Bolhos, Lourinhã! Trinta anos antes do século XXI...! Quarenta anos antes de, "Por fragas e pragas..." ... entrarmos no ano de 2011...! O passado está-se a cruzar com o presente, as recordações cruzam-se agora com as vivências da actualidade. O "Por fragas e pragas..." ... também se vai assim modificar... J! Mais pormenores no próximo post... J
22 de Setembro de 2011

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

"Romagem" às minas das Sombras
e nas alturas do Altar de Cabrões, Sobreiro e Carris

Dia 20 de Outubro era o dia da "peregrinação" às Minas das Sombras (onde iria pela primeira vez) e aos Carris. Seria uma espécie de homenagem à saga do volfrâmio. Mas a "peregrinação" seria também ao mítico Altar de Cabrões e aos Picos do Sobreiro e dos Carris, já que quando estive na Nevosa não tive tempo de passar o Curral de Marabaixo, que os separa.  Assim,  às  7:30h  da  manhã  (hora portuguesa),
Subida da Carballiña, Xurés, 20.10.2010, 9:15h
com Lobios ainda adormecida na noite, parti para uma caminhada solitária de mais de 11 horas na serra. A minha cara-metade, excelente caminheira de distâncias mas menos "trepadora", preferiu o dia de descanso aos 1100 metros de desnível que teria de subir e voltar a descer. Lobios fica a 410m de altitude; o Pico do Sobreiro, ponto mais alto a atingir … fica a 1538 metros. Como não gosto de caminhadas em que a ida e o regresso são pelo mesmo percurso, saí de Lobios por Ogos e Saa, percorrendo a zona que também tinha sido afectada por um pequeno incêndio em Agosto … circunscrito e extinto num dia…! Quase logo a seguir a Saa saí para a pista das Sombras, começando desde logo a subir bem. Aos 780m de altitude cruza-se o rio de Lobios, para pouco depois chegarmos a um pequeno bosque com panorâmicas magníficas de NW a SW. Duas horas depois da partida estava aos 1000 metros de altitude e com 7,7 km percorridos, no local conhecido como o Niño da Galiña, que marca a entrada na encosta do vale das Sombras, escavado pelo rio de Vilameá, ao longo do qual à tarde desceria para a aldeia do mesmo nome. Encontrei aí o primeiro de dois jeeps de vigilantes do Parque Natural, simpatiquíssimos; assim houvesse efectiva vigilância no Gerês português…! A partir do Niño da Galiña seguiram-se mais de 4 km praticamente planos, entre os 1000 e os 1060m de altitude, sempre sobre o vale do rio de Vilameá. Deu para acelerar por vezes para os 8 km/h … e para ganhar forças e balanço para o "ataque" à subida para as Sombras e para as alturas do Gerês/Xurés. Às 10:15h tinha 12 km feitos e estava junto à cancela do antigo estradão para as Minas das Sombras, com a muralha quase vertical do Pión de Paredes à minha esquerda, a parede oposta da Chan da Vella e o Fitoiro à direita … e o resto do vale das Sombras para subir, à minha frente. Da cancela às Minas não chega a 1,5 km de estradão, vencendo nele cerca de 220m de desnível. Com 3 horas certas de caminhada desde Lobios, as ruínas das Minas das Sombras começaram a surgir, iluminadas pelos raios do astro rei que começa, finalmente, a sobressair das alturas do Pión de Paredes e dos Cabrós. O momento é quase mágico, como talvez as fotografias ilustrem um pouco.
E o Sol vai começar a iluminar as Sombras! 20.10.2010, 10:35h
Memórias que o tempo não esquece...     Minas das Sombras, 20.10.2010
O complexo das Minas das Sombras é bem mais pequeno que o dos Carris. Mesmo assim, as edificações, velhas máquinas, carris, tudo parece estar ali perdido no tempo, perdido na corrosão e no envolvimento vegetal … ou então de repente ganhando vida,  imaginando a labuta  dos homens que ali  ganharam o  seu
Interior da mina
pão e sustento, que ali deixaram o suor de um trabalho duro e desgastante. No interior das galerias abandonadas, a água corre agora célere por onde dantes corriam os vagões e o minério; lá dentro, perde-se a noção do tempo e do espaço, tudo é negritude e mistério.
Cumprida a "peregrinação" nas Minas das Sombras, o desafio era agora subir directamente ao Altar dos Cabrós (Altar de Cabrões). À minha frente estava uma parede dominada por toneladas de cascalho grosso e solto, salpicada aqui e ali por rocha nua e algum mato. Havia que passar dos 1220 para os 1490m de altitude. Nenhum vestígio de carreiro, quando muito aqui e ali, muito espaçados, possíveis vestígios de mariolas que nem sei se o eram. E, acima já das Minas das Sombras, ainda havia que contornar uma longa e profunda fenda rochosa, possivelmente vestígio de velhas galerias desabadas pelo abandono e pelo tempo.  Não direi que
Subida do Pión de Paredes para o Altar de Cabrões, 20.10.2010
a subida não foi penosa, mas as panorâmicas e a constante sensação de desafio recompensavam largamente o esforço. Nos meus tempos de escola, quando se aprendiam as serras, os rios e até as linhas de combóio, ensinava-se que o Altar de Cabrões era o ponto mais alto da Serra do Gerês. No entanto, conforme qualquer carta mostra, o Altar de Cabrões nem é o ponto mais alto … nem é em Portugal. Situado a pouco mais de 300 metros em linha recta da linha de fronteira, o Altar de Cabrós é portanto ainda na Galiza, e os seus 1490m de altitude são 58 metros mais abaixo dos 1548m do Pico da Nevosa, esse sim o ponto mais alto do Gerês e de todo o norte de Portugal. O Altar de Cabrões é no entanto um local mítico e mágico, convidativo à meditação e à contemplação, à entrega aos deuses do céu e da Terra, à aceitação da energia telúrica que dele emana e, em dias esplendorosos de Sol, da energia retemperadora do astro-rei. Sem me dar conta, estive mais de uma hora naquele ponto mítico, onde há muito queria ir. A hora aconselhava algum reforço alimentar; melhor local não podia haver.
Altar de Cabrões (Altar de Cabrós), 1490m alt., Xurés, 20.10.2010: a entrega aos deuses do céu e da Terra!
Fronteira luso-galaica, no Pico do Sobreiro, 1538m alt., 20.10.2010
À minha frente, ligeiramente a nordeste, o Curral de Marabaixo separava-me da Nevosa, imponente e destacada, a Nevosa que me havia acolhido quando da travessia de Lapela a Pitões das Júnias; um pouco mais à direita, percebe-se o início da Garganta das Negras. Para sul, os Picos do Sobreiro e dos Carris (ambos acima dos 1500m) não deixam ver ainda as Minas nem a represa dos Carris, escondendo também parte do vale da Amoreira. A sudoeste percebe-se o início do vale do Alto Homem, o Outeiro da Meda, o Alto da Amoreira. E a oeste e noroeste … o vale das Sombras, de onde havia subido. Que êxtase, que catarse purificadora, que entrega. Ali, imerso na luz do Sol e na imensidão da serra, da rocha, do verde, da água, do som do silêncio, ali esquecem-se problemas, ali sentimo-nos pequenos e insignificantes, ali entregamo-nos apenas à imponência das panorâmicas, à grandiosidade e à força da Natureza.
O Altar de Cabrões e os Picos do Sobreiro e dos Carris sucedem-se numa "espinha dorsal" disposta no sentido NW/SE, a pouca distância uns dos outros. O Sobreiro é o mais alto dos três, a 1538m de altitude, exactamente na linha de fronteira. À uma e meia da tarde entrava portanto em Portugal. A fronteira luso-galega segue para SW, mas a cumeada acompanha uma outra fronteira, entre os distritos de Vila Real e de Braga, entre terras transmontanas e minhotas. Entre o Sobreiro e o Pico dos Carris … eis que nos surge repentinamente a Lagoa dos Carris, a represa sobre o vale da Ribeira das Negras.
E de repente ... surge a Lagoa dos Carris!   20.10.2010
A leste, a Nevosa (1548m alt.), o ponto mais alto do Gerês e de todo o norte de Portugal, 20.10.2010
À medida que a Nevosa vai ficando para norte … eis que surge no horizonte a aldeia "mágica" de Pitões das Júnias, de onde havíamos saído na véspera. Um pouco mais à esquerda, os Cornos da Fonte Fria, ainda na véspera vistos da face norte; entre mim e Pitões, os Cornos de Candela, a sul dos quais ainda em Junho tinha conduzido os Caminheiros na travessia de Pitões à Portela do Homem.
14:10h: Pico dos Carris, 1508m de altitude. Estou agora sobre a represa dos Carris e sobre todo o complexo mineiro do mesmo nome, já meu bem conhecido de anteriores "expedições". Da última vez, tinha-o atingido vindo de Lapela, pelo Castanheiro, Ribeira das Negras e subindo o Salto do Lobo. Agora, como que me sentia a sobrevoar aquelas ruínas, 60 metros acima delas e do início do velho estradão que desce o vale do Alto Homem, que ainda em Junho havia descido com os Caminheiros. Para sul, as Lamas de Homem e a zona das Abrótegas e das Águas Chocas permitem adivinhar as águas do jovem rio Homem. Mas desta vez … havia que regressar ao vale das Sombras. Exactamente com metade do percurso previsto feito (cerca de 16,5 km), a encosta do Pico dos Carris para o vale da Amoreira marcou o início do regresso. E, lá em baixo, corre a Corga dos Salgueiros da Amoreira, primeiro afluente da margem direita do Homem. É para lá que me dirijo, seguindo agora de novo para noroeste.
Minas dos Carris, do Pico dos Carris: mais memórias perdidas no tempo...    20.10.2010
Regresso ao vale das Sombras ... agora ao Sol de Outono    20.10.2010
Às três e pouco de uma tarde radiosa atravesso de novo a fronteira, regressando a terras galegas … e preparando-me para uma descida vertiginosa que me levaria de novo às Minas das Sombras. Muitas vezes as descidas são bem mais penosas que subir, mas o desnível do percurso escolhido é bem menor do que de manhã … além de que aqui há carreiro feito. Agora nas poucas horas em que o Sol ilumina o vale, as cores do Outono pintam à minha frente uma aguarela de sonho, enquanto atravesso um frondoso carvalhal ao longo da encosta entre o Rio da Amoreira e o Pico do Sobreiro. Precisamente quando admiro as cores e a espectacularidade do vale, recebo um telefonema de um amigo de longa data; "se aqui estivesses extasiavas-te como eu", foi só o que consegui dizer ... mas menos de um ano depois ele estaria lá comigo e com os Caminheiros Gaspar Correia!

Poesia de cores outonais, vale das Sombras, 20.10.2010
Antes das 4 da tarde passo de novo nas Minas das Sombras e desço rapidamente o estradão até à cancela onde passara 6 horas antes. A partir daí, o percurso ia ser de novo diferente do da manhã, descendo o velho trilho que conheceu os passos de tantos e tantos homens que labutavam nas minas e subiam e desciam o vale do Rio de Vilameá, ou vale das Sombras.  6,2 km  de  descida  foram percorridos
Rio de Vilameá, Vale das Sombras, 20.10.2010
em pouco mais de uma hora, mas as numerosas cascatas e piscinas naturais do Rio de Vilameá não foram por isso menos apreciadas, embora maioritariamente mergulhadas já de novo nas Sombras das apertadas encostas que, de um e outro lado, escondem o vale. A Ponte de Porta Paredes cruza o rio para a margem esquerda, já a 710m de altitude, e o trilho continua sempre a descer para Vilameá, a aldeia que deu o nome ao rio. Pouco antes, um ligeiro desvio à esquerda permite ver a Ermida de Nosa Señora do Xurés.
Seis da tarde, Vilameá, 28,3 km percorridos. Faltava … uma das partes mais penosas da jornada ... 4,2 km de alcatrão, até Lobios e ao "nosso" Hotel Lusitano, pela estrada proveniente da Portela do Homem. Esses pouco mais de 4 km pareceram-me intermináveis, mas lá foram percorridos em pouco mais de 40 minutos. O telefonema de um outro grande amigo de longa data ajudou a amenizá-los. À chegada a Lobios, a minha "sócia" estava fresquinha que nem uma alface, com um dia de completo descanso em que praticamente não saiu do Hotel... J.


No dia seguinte, 21 de Outubro, era o regresso. Situando-se Lobios a cerca de 15 km do Lindoso, por estrada, o Lindoso teria de marcar forçosamente o términus deste nosso périplo por terras do Gerês luso-galaico. Mas claro que por estrada seria desagradável, embora o estudo das alternativas indicasse que muitos troços teriam mesmo de o ser. Assim, 15 minutos antes das 10 da manhã de 5ª feira, estávamo-nos a despedir das simpáticas senhoras do Hotel Lusitano e a partir, de novo os dois, de mochilas carregadas às costas. Durante menos de 1 km retrocedemos o percurso feito a solo na véspera, para logo inflectir para caminhos secundários e carreiros, sempre com a Serra de Santa Eufémia como pano de fundo. Rial e Barreal são duas pequenas aldeias atravessadas, um cruzeiro a seguir a esta última abençoava a nossa despedida. Com rumo nitidamente a oeste, começámos a descer para o vale do Lima, mas acompanhando também o vale do Rio Caldo, que nele desagua. O Rio Caldo é o que vem das alturas da Portela do Homem e que deu origem aos famosos Baños de Río Caldo, piscinas naturais de águas quentes.
Rial, ainda próximo de Lobios, 21.10.2010
Entre Manín e o vale do alto Lima, em quase fim de jornada, 21.10.2010
Uma hora de caminho e chegámos à estrada marginal do Lima, mas apenas para atravessar a ponte na foz do Rio Caldo. Logo a seguir, voltámos a sair em direcção a Manín, por uma estradinha secundária que na aldeia passou a caminho de pé feito. Manín é uma típica aldeia serrana na base da Serra de Santa Eufémia … onde vimos um único habitante. A Ermida de Santa Eufémia saudou-nos à saída. Estávamos apenas a 510m de altitude, mas os meandros da barragem do Alto Lima estão à nossa frente e, para poente, avista-se já a Louriça e percebe-se o Lindoso. Pouco depois do meio dia, com 8 km percorridos, regressamos à estrada principal, agora sem grandes alternativas. O almoço foi junto à ponte que, atravessando o Lima, conduz à galega Entrimo e à nossa Castro Laboreiro, pela fronteira da Ameixoeira.


5 km depois passávamos a fronteira da Madalena, deixando assim terras galegas e entrando no concelho de Ponte da Barca. Mais 1,5 km e estávamos no viaduto da foz do Rio Cabril. Depois das fotografias vistas em Agosto, tiradas deste viaduto, e da imagem da Serra Amarela, agora negra, que se me tinha deparado na 2ª feira anterior … estava com medo do que ia ver ao longo do vale do Rio Cabril. A minha previsão mais terrífica não se concretizou contudo, felizmente, percebendo-se mesmo assim a encosta negra para os lados da Cruz do Touro e das Ruivas; imaginei como estaria a zona do Ramisquedo e a encosta sul, virada à barragem de Vilarinho das Furnas...
Depois de uma pausa na fonte próxima do cruzamento do Muro (o estradão que sobe à Louriça), às 15:45h e com 17,3 km percorridos chegámos ao Lindoso … muito a tempo do suposto autocarro das 16:15h para Ponte da Barca. Eis-nos, portanto, no "Café Vilarinho", perguntando descontraidamente onde é a paragem do autocarro. Resposta: "é ali … mas hoje já não há carreira"!!! Como é isso, foi a própria empresa Salvador a informar o horário! Bem, telefonema para a empresa, passagem do telefonema para o "chefe" … e lá vem uma resposta: "pedimos desculpa, foi um lapso, houve uma alteração de horário"; "então e como se resolve?", pergunto eu! "Bem, vão de táxi para Ponte da Barca e envie-nos a factura". E assim ... pouco depois estávamos em Ponte da Barca ... e no dia seguinte estávamos a apanhar o Expresso para Lisboa. Rapidamente as serras ficaram para trás...

Esta não foi a travessia em autonomia que havia idealizado, mas foi uma nova e bem interessante experiência, que me e nos levou a vários locais onde ainda não tínhamos estado nas terras mágicas do Gerês. Em todos os aspectos … aqueles 5 dias (3 de caminhada) purificaram-nos o corpo e a alma. Mas como ambicionava e ambiciono percorrer ainda muitos mais locais naquelas terras mágicas (e noutras…), as "peregrinações" seguintes não tardaram muito ... quando a duração das horas de luz e o clima primaveril permitiram a "sonhada" autonomia. A Serra, o Monte, a Natureza, sempre foi e é cada vez mais o meu modo de estar na vida! Enquanto puder … é a caminhar que quero mostrar a mim próprio quem sou e o que sou. No Gerês, em Somiedo, na Malcata – as minhas três "terras natais"... – mas também em qualquer outro lugar onde haja verde, água, montanha, céu, onde haja o som do silêncio, os sons e os cheiros da Natureza, mas também das terras e gentes que nelas labutaram e labutam, que nelas deixaram as suas tradições, a sua cultura, a sua poesia, a sua música tradicional.

Álbum de fotos completo neste link

19/09/2011

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Pitões das Júnias - Salgueiro - Lobios
Travessia do Gerês luso - galaico

Como tenho tentado contar através deste blogue, a minha paixão pelas terras "mágicas" do Gerês já vem de há quase 40 anos! Depois da "descoberta", pela mão do saudoso Prof. Carlos Almaça, levei eu durante anos, já como professor, largas centenas de alunos a conhecerem aquelas serras, terras e gentes, de Tourém a Castro Laboreiro. Em Março de 1989, fiz pela primeira vez a travessia Pitões das Júnias – Fonte Fria – Carris – Portela do Homem – Caldas do Gerês, acompanhado de um grupo de 12 alunos e um
Pitões das Júnias, 19.10.2010, 8:30 h, 4ºC
outro professor e grande amigo. Tanto antes como depois dessa "histórica" travessia, perdi a conta às minhas deambulações pelo Gerês, com alunos, em família, sozinho, ou com os Caminheiros a que em boa hora entretanto me associei. Sem que para isso haja grande explicação, afeiçoei-me sempre mais às zonas centro e leste do Parque Nacional, particularmente à Serra do Gerês.
Apesar dos périplos atrás referidos, muitas zonas havia e há ainda para conhecer e descobrir naquelas terras mágicas. Há algum tempo que tinha começado por isso a congeminar uma travessia mais ou menos em autonomia, passando precisamente por algumas dessas zonas que ainda queria conhecer. Já tinha subido por duas vezes ao Borrageiro, a partir da Teixeira e do Camalhão, mas nunca tinha percorrido as Sombrosas ou o vale do Conho, por exemplo; e outras zonas, claro. Assim, "desenhei" um projecto e lancei um desafio a alguns amigos, sabendo contudo de antemão que não seria  fácil  arranjar acompanhantes,  já  que  o projecto implicaria uns  5  dias  e  a maioria  dos amigos com
"estaleca" para o fazer não estão reformados como eu…! Por outro lado, não seria nunca possível marcar uma data específica para concretizar o projecto, já que o mesmo dependeria essencialmente das previsões meteorológicas. Jamais me passaria pela cabeça a inconsciência de me meter e meter alguém numa "aventura" … com o objectivo de "passear" de helicóptero e de aparecer nas televisões…! A data de concretização do projecto … seria portanto a primeira em que a meteorologia garantisse pelo menos 5 dias seguidos de tempo seco e pouco nublado. O FreeMeteo é uma das muitas "bíblias" que hoje permitem que só se vá para a serra em dias de temporal e chuva forte … se se for completamente inconsciente.
Vai começar a "aventura"...   19.10.2010
Até meados de Outubro de 2010, apesar de reformado, os dias livres na minha agenda não coincidiram com bom tempo. Estando na disposição de avançar mesmo que eventualmente sozinho, a minha "sócia" e possível acompanhante ergueu contudo a "bandeira" das temperaturas que começavam a descer, dos dias que começavam a ter poucas horas de luz, das dificuldades daí resultantes para a eventual passagem de uma ou mais noites na serra. E ditou, assim, duas "leis": "proibia-me" de ir sozinho, mas dispunha-se a acompanhar-me … desde que ficássemos "debaixo de telha". Bem, como as "leis" são para se cumprir … estudei as alternativas que o permitissem. Por exemplo, já tinha estado na Nevosa … mas nunca tinha subido ao Altar de Cabrões; já tinha estado nos Carris, vindo de Pitões ou de Lapela … mas não conhecia as Minas das Sombras, as "irmãs" galegas dos Carris; do lado galego, há muito queria conhecer o carvalhal da Barxa e a aldeia abandonada de Salgueiro. E assim, pegando nestes elementos, foi-se desenhando uma travessia entre Pitões das Júnias e Lobios, maioritariamente portanto pelo Xurés galego, que permitiria cumprir a "lei" de dormir "debaixo de telha" e de, a partir de Lobios, "conquistar" as alturas das Sombras e dos picos fronteiriços. Isto sabendo de antemão que esta jornada de ida e volta, a partir de Lobios, seria relativamente dura: cerca de 33 km … e mais de 1100 metros de desnível a vencer!
Ao fundo a barragem de Paradela, rumo à raia, 19.10.2010
Num projecto deste género (bem como no inicialmente delineado), o carro seria um estorvo. Deixávamo-lo em Pitões? E depois? Não tenho telecomando para o teletransportar para Lobios... J! Mas de Lobios ao Lindoso são apenas 15 km, que com uma ou outra variante pela base da Serra de Santa Eufémia … dariam para uma terceira caminhada. Assim, havia portanto que chegar a Pitões das Júnias … e que regressar a partir do Lindoso. O passo seguinte era fácil: estudar as empresas e os horários dos autocarros. Entretanto a meteorologia apontou para uma semana entre 18 e 22 de Outubro com céu limpo praticamente em todo o país … nomeadamente nas terras "mágicas" do Gerês. As condições estavam reunidas ... para uma "modalidade" de viajar que, adoptada aos quase 60 anos, convenhamos que não será muito usual... J! Nalguns troços pedestres em que necessariamente tivemos de ir ao longo de estradas … até gostava de saber o que terá passado pela cabeça de quem se deparava com a imagem de dois "peregrinos" quase sexagenários, estrada fora, de mochilas às costas (a minha bem grande…), um deles careca e a outra de cabelos brancos...
E assim, na 2ª feira 18 de Outubro de 2010, pouco antes das dez da manhã, estávamos a sair de casa a pé, de mochilas às costas, despedindo-nos ainda da nora e netas … com estas últimas muito admiradas com o "filme" que estavam a ver... J! O primeiro dia foi rumo a Braga e depois a Montalegre. Na viagem Braga / Montalegre tive um choque: só pode ter sido por autodefesa … mas não me lembrei que ia ver a Serra Amarela... Além do choque resultante de não me ter lembrado que ia ver a imagem que vi … a imagem que vi era pura e simplesmente dantesca! Em momento algum da minha muita indignação daquele verão imaginei que o cenário era aquele! E obviamente … só vi uma parte. Ainda pensei puxar rapidamente da câmara … mas não quis reter ainda mais aquele cenário. Toda a Serra Amarela … era uma Serra Negra! Mas negra de carvão! Toda a zona adjacente ao S. Bento da Porta Aberta; toda a encosta a oeste da barragem da Caniçada, portanto a zona da Junceda e da Calcedónia, com o Pé de Cabril ao fundo, único morro que sobressai do inferno negro abaixo dele; toda a encosta oeste do vale do Rio Gerês e até parte da encosta leste (portanto já Serra do Gerês), todo esse cenário era dantesco … e a acrescentar ao cenário duas grossas colunas de fumo soltavam-se da meia encosta; acredito que fossem queimadas controladas … mas não sei. Felizmente o autocarro passou a mostrar a Serra do Gerês, a Amarela agora negra ficou para trás … mas a imagem ficou gravada. As alturas das Rocas Alva e Negra, as barragens do Cávado e o planalto da Mourela lá ao fundo, para onde íamos naquele dia esplendoroso, conseguiram-me consolar um pouco. E depois de Salamonde o autocarro passou a ser quase que exclusivamente de transporte de escolas … pelo que o motorista resolveu pôr o Dartacão a passar no vídeo de bordo... J!
Às 18:15h estávamos em Montalegre ... e uma taxista levou-nos rapidamente à aldeia "mágica" de Pitões
Prosseguimos no Xurés galego, 19.10.2010
das Júnias! Em Pitões, as minhas "velhas" amigas Marias já nos esperavam. A "Casa do Preto" e a Srª Maria (mãe) são o nosso poiso em Pitões desde a primeira vez que lá fomos, há mais de 30 anos. Quantos serões passados à sua velha lareira, com grupos de alunos que ficavam aos 4 e aos 5 em cada um dos poucos e pequenos quartos que então ela alugava; a Srª Maria (filha) conhecemo-la desde jovem e a Sandra (neta) … quase desde que nasceu! Num dia de semana e em época já baixa … é claro que fomos os únicos hóspedes … mas a bela posta de vitela barrosã claro que não podia faltar … até porque precisávamos de energias para a caminhada do dia seguinte.
E no dia seguinte, 19 de Outubro, sete horas e pouco, ainda noite, estávamos a pé. Temperatura exterior … 4ºC; já está fresquinho…! Higiene, arrumações, mochilas carregadas com toda a "tralha" necessária. O padeiro vinha às 7:45h, as Sr.as Marias serviram-nos o habitual pequeno-almoço, trocamos impressões sobre as caminhadas que vamos fazer ... e às 8:30h estávamos a partir a pé, rumo a norte, à Portela de Pitões, por caminho meu bem conhecido, já que este troço inicial é o mesmo que segue para as alturas da Brazalite e da Fonte Fria. Recentemente alcatroado até à fronteira, abandonámos contudo o caminho principal por alturas do Outeiro do Grosal e das Lamas da Portela, com a Fraga da Espinheira a dominar a paisagem a poente … onde o velho carreiro desapareceu na vegetação e nos obrigou a um pequeno troço de corta-mato. Pouco mais de 5 km feitos … e estávamos a entrar no Xurés galego, a 1290m de altitude, mais 170 do que Pitões. A panorâmica era magnífica tanto para terras lusas, com a barragem de Paradela ao fundo, o sempre visível ponto branco da Capela de S. João da Fraga, a espinha dorsal da Serra do Gerês a sudoeste; para norte e nordeste, terras galegas e parte do "dedo" português onde se situa Tourém, que contudo não se vê; a barragem de Salas e as aldeias galegas de Randín, Maus de Salas, Guntumil e outras, essas salpicavam a paisagem. O Albergue da Serra do Pisco também se via, na encosta junto à estrada fronteiriça da Portela de Pitões.
Carballeira da Barxa, Xurés galego, 19.10.2010
Agora a descer a encosta galega, rapidamente começamos a ver a poente a mancha florestal para onde nos dirigimos: a Carballeira da Barxa, um carvalhal espectacular, onde o musgo invadiu as pedras e as árvores. A barragem de Salas continua a dominar a paisagem a nordeste, agora sim chegam-se a ver as últimas casas de Tourém, e a sul surge-nos uma imagem bem minha conhecida … mas nunca vista daquele ângulo: os Cornos da Fonte Fria destacam-se contra o céu azul. Pouco passava das 11 da manhã (hora portuguesa), quando entrámos nas sombras de um mundo saído de uma história de gnomos e duendes do bosque. Cores outonais havia ainda poucas, mas água jorrava de todas as encostas, por vezes mesmo acompanhando-nos na marcha ao longo de velhos carreiros. Ultrapassado um caudaloso regato vindo das alturas das Gralleiras … recomeçamos a subir, primeiro em direcção SW e inflectindo depois para NW, saídos já do carvalhal. Com 10,2 km percorridos e novamente a descer para a aldeia abandonada de Salgueiro, resolvemos fazer a paragem para almoço pouco antes de lá chegar. O dia continuava esplendoroso, uma sombra no caminho e umas pedras que fizeram de bancos foram providenciais. E o almoço foi … arroz de tamboril! Enlatado e pré-cozinhado, claro... J! Mas não deixou de ser acompanhado por um néctar do Douro … embora também por água do último regato por onde tínhamos passado.
A aldeia de Salgueiro foi abandonada em meados do século passado, pertencendo hoje ao Governo da Galiza, que está a restaurar as casas e a transformá-la naquela que virá a ser a primeira aldeia ambiental galega. É necessária uma autorização, a pedir ao "Parque Natural Baixa Limia / Serra do Xurés", autorização que obviamente tínhamos pedido e transportávamos connosco … mas que ninguém nos pediu … até porque naquele dia não havia ninguém a trabalhar no restauro da aldeia. Trata-se de uma típica aldeia serrana, com as suas casas de pedra, algumas com telhados de colmo, todas elas em processo de restauro, algumas a ser transformadas em museu, bem como a sua velha igrejinha.
Carballeira da Barxa em tons de Outono, Xurés galego, 19.10.2010
A aldeia abandonada de Salgueiro, Xurés galego, 19.10.2010
Passada Salgueiro … nova subida! Permite-nos apreciar o conjunto da aldeia. Dirigimo-nos agora francamente para oeste, passamos a Corga das Cuartas, junto da qual deixamos o concelho de Muiños, para entrar no de Lobios. Ao fundo, parecendo chamar-nos ao longe, vemos já as antenas da Louriça, na Serra Amarela, e as de Santa Eufémia, por cima do nosso destino, Lobios. A barragem do Alto Lima também aparece já no nosso horizonte. Começamos definitivamente a descer, agora para o vale do rio Mao. Com 16,7 km feitos, às três da tarde chegamos à estrada OU-1206, Cela – Lobios, e pouco depois atravessamos a aldeia de Puxedo. A distância que nos faltava percorrer para Lobios sabíamos que teria de
Vale do Rio Mao, Xurés galego, 19.10.2010
ser maioritariamente por estrada, mas felizmente estradas muito secundárias e com bermas que davam para a fuga ao alcatrão. Mesmo assim, sempre que possível procurámos os atalhos que a carta nos indicava, no sentido de sair da estrada e encurtar distância. A primeira "saída de estrada", a seguir a uma aldeia chamada Vila, não correu muito bem: o velho sendeiro que a carta indicava era tão velho … que já não existia; obrigou-nos a um troço de corta-mato um pouco fastidioso, ainda por cima numa zona onde as moscas proliferavam. O segundo corte correu melhor: no vale do rio Cabaleiro, desembocámos facilmente na Ponte de San Martiño, a poucos quilómetros já do nosso destino. E assim, às 17:20h e com 25,1 km percorridos, estávamos em Lobios … e no também já nosso velho conhecido "Hotel Lusitano".
Veja o vídeo desta "aventura", mas também o álbum de fotos completo neste link)


19/09/2011