Este blog está programado e paginado para Microsoft Internet Explorer. Noutros browsers, é natural alguma desconfiguração.

segunda-feira, 22 de março de 1982

E levo os meus alunos ao Gerês...

Em 1975 descobri o Gerês, pela mão do Professor Carlos Almaça. Quando, dois anos depois, iniciei a minha carreira docente ... prometi a mim mesmo que tinha de levar lá os meus alunos! E assim foi: entre 1982 e 2001, organizei 12 visitas ao Parque Nacional, de Castro Laboreiro a Pitões das Júnias, com grupos de alunos do 7º ao 12º ano de escolaridade. Privilegiando sempre os percursos a pé, muitos foram os trilhos percorridos, as fragas galgadas, as experiências vividas e partilhadas, transmitindo conhecimentos e
Parque de campismo do Vidoeiro, Gerês, 19.03.1982
ensinamentos, à mistura com convívio e sã camaradagem ... como eu aprendera a viver. Afinal ... ainda só tinham passado 10 anos desde que eu saíra dos bancos do Passos Manuel...

A primeira "aventura no Gerês" decorreu de 19 a 22 de Março de 1982, com as turmas de 8º ano que comigo tinham ido à Arrábida no ano anterior. O velho parque de campismo da Albergaria - onde
Chamas, noite, alegria, juventude...
havia ficado em 1975 - já tinha sido encerrado, pelo que acampei com parte dos alunos e uma professora no então recente parque do Vidoeiro, enquanto que outra  professora  e  os  restantes
Mata da Bouça da Mó, 20 de Março de 1982
alunos se instalaram na Pensão Baltazar, na vila. Mas todos os dias, à noite, reuníamo-nos perto do parque de campismo, à volta da tradicional fogueira, entoando cantigas, contando estórias, vivendo a juventude que era a deles ... mas também ainda a nossa.
O autocarro levou-nos ao S. Bento da Porta Aberta, a Covide, a S. João do Campo. A barragem de Vilarinho das Furnas espelhava a Serra Amarela.  E,  a  pé,  subimos a geira romana,
Piscinas naturais no rio Homem
extasiados, alunos e professores, com a imponência da vegetação, das águas, da história que parecia brotar dos marcos miliários, daquela Natureza que nos rodeava e nos fazia sentir pequenos. Da ponte de S. Miguel, o rio Homem convidava-nos ao sonho.
Pouco depois, chegávamos à fronteira da Portela do Homem ... onde nos esperava um "confortável" transporte do Parque Nacional, para nos levar de regresso ao Vidoeiro e ao Gerês.
No transporte do Parque Nacional... :-)
Miradouro da Pedra Bela, 21.03.1982
Nesta primeira "aventura", não podiam faltar dois locais emblemáticos: as grandes panorâmicas da Pedra Bela ... e a cascata do Arado, palco, esta última, de uns excelentes banhos naquele primaveril dia 21 de Março de 1982, dia mundial das florestas ... em que começava a Primavera.
Ponte do Arado, 21 de Março de 1982
Nas piscinas naturais da Cascata do Arado, 21.03.1982
Aspectos da Cascata do Arado, 21 de Março de 1982
Quando saímos do Gerês, no dia 22, vínhamos seguramente todos mais ricos. Mas ... não era um adeus, era só um até breve!...
22 de Março de 1982 - Despedida do Gerês ... até para o ano!
1 de Fevereiro de 2011

4 comentários:

JORGE FIGUEIREDO SANTOS disse...

Bom trabalho, uma dúzia de excursões de estudantes ao Gerês! Formidável! É por aí o caminho...

António disse...

Os marcos naturais são as melhores referências que podemos deixar nas nossas vidas! Eles esperarão sempre por nós e perdurarão para além de nós, cumprindo a missão de registar as nossas passagens pela vida!

Daniela disse...

Boa Tarde, encontrei o seu post e gostei imenso. Eu e os meus amigos estamos a pensar em fazer um desses tipos de viagens, nós somos de Lisboa. Não sabemos como se vai para esse lugar e onde ficar acampados, gostaria que me desse esses tipos de indicação. Obrigado , aguardo uma resposta.

Paula Francisco disse...

Pena não ter tido um professor como tu no meu tempo.....